Tempo de leitura: 6 minutos.

Você já deve ter ouvido muito a palavra Ibovespa. Mas provavelmente ainda tem dúvidas do que é esse índice tão famoso no Brasil e que oscila bastante de acordo com os acontecimentos econômicos e políticos. É uma dúvida que surge na cabeça de quase todos os investidores que começam a desbravar o mundo da renda variável.

Por isso, preparamos este artigo para que você entenda de vez o que é o Ibovespa, como o Índice Bovespa é composto e qual a importância dele na economia.

Mas antes de ler, assine nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre finanças e investimentos.

Boa leitura!

Ibovespa ou Índice Bovespa

Antes de tudo, a pergunta das pessoas que querem investir na bolsa de valores é: o que é o Ibovespa?

Criado em 1968, o Ibovespa, ou Índice Bovespa, é uma medição em pontos que surgiu para mensurar o desempenho do mercado acionário brasileiro. Isso porque existem, atualmente, cerca de 400 empresas listadas na Bolsa de Valores B3. São companhias de diferentes setores, portes e sensibilidades que têm as ações negociadas em um mesmo pregão.

Dessa forma, enquanto uma grande ação pode ter uma queda feroz nos seus preços, diversas pequenas ações podem apresentar altas acentuadas. Por isso, é fundamental quantificar, de forma objetiva, a performance do mercado de ações.

Pra que serve o Ibovespa?

Um índice de ações nada mais é do que uma carteira de ações elaborada de acordo com uma metodologia específica, que incorpora uma série de parâmetros para tornar a carteira o mais próxima possível da realidade que se deseja representar. Entre os diversos parâmetros para o cálculo do Ibovespa, estão o valor de mercado de uma empresa e a liquidez, por exemplo.

Resumidamente, podemos definir o Ibovespa como o índice utilizado para medir o comportamento dos papéis mais líquidos negociados na B3, a bolsa de valores brasileira.

Como é composto o Índice Bovespa?

Desde a criação do Índice Bovespa, houve diversas alterações na metodologia para tornar o indicador econômico mais eficiente na representação do mercado de ações brasileiro. E para fazerem parte do Ibovespa, as empresas não podem, por exemplo:

  • Estarem em processo de recuperação judicial o extrajudicial.
  • Serem classificadas como BDRs (Brazilian Depositary Receipts) – ações emitidas por empresas de outros países.

Caso não se enquadrem em nenhum dos dois grupos acima, haverá uma avaliação para definir se o ativo será ou não incluído na carteira teórica e se terá maior ou menor representatividade no Ibovespa. Ou seja, é um indicador bastante dinâmico.

Hoje em dia, não basta a alta liquidez e o grande volume financeiro negociado na bolsa. Além disso, as ações precisam atender quatro principais requisitos para poderem adentrar o índice. São eles:

  • Ter cotação com valor superior a R$ 1.
  • Dentro de um ano, pertencer aos ativos que representam 85% do Índice de Negociabilidade.
  • Representar , ao menos, 0,1% do volume financeiro negociado no mercado à vista.
  • Ter sido negociadas em, pelo menos, 95% dos pregões no último ano.

Assim, ao atender a esses requisitos, as revisões quadrimestrais feitas pela B3 incluem essas principais ações na carteira teórica. O peso que cada ativo terá na carteira será diferente e levará em conta o volume de ativos de uma mesma empresa (limitado ao máximo de 20%).

Composição atual do Índice Bovespa

Em agosto de 2021, o Ibovespa é composto por 84 ativos, sendo que estas são as 20 empresas com maior representação na carteira do índice:

CódigoAção
VALE3VALE
ITUB4ITAUUNIBANCO
PETR4PETROBRAS
PETR3PETROBRAS
BBDC4BRADESCO
B3SA3B3
ABEV3AMBEV S/A
MGLU3MAGAZ LUIZA
WEGE3WEG
GNDI3INTERMEDICA
ITSA4ITAUSA
NTCO3GRUPO NATURA
JBSS3JBS
SUZB3SUZANO S.A.
BBAS3BRASIL
RENT3LOCALIZA
LREN3LOJAS RENNER
BRDT3PETROBRAS BR
BPAC11BTGP BANCO
RADL3RAIADROGASIL
Principais ações do Ibovespa em 23/08/2021 (Fonte: B3)

Podemos ver na tabela acima que o índice tem o desempenho muito atrelado à performance de algumas empresas específicas. Por exemplo, ao agruparmos as ações de Petrobras, verificamos que elas compõem boa parcela do Ibovespa.

Nesse sentido, essa concentração elevada faz com que, caso alguma notícia ou acontecimento afete a empresa negativamente, todo o índice cairá de forma mais acentuada. Um exemplo disso ocorreu após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciar a troca de comando da estatal. O preço das ações despencou imediatamente. Por isso, a XP rebaixou para “venda” a recomendação desses ativos.

No entanto, é importante lembrar que o índice não se concentra apenas em empresas específicas. Quando olhamos para o índice considerando os setores de atuação das empresas, percebemos uma concentração alta do setor financeiro e de commodities.

Como negociar o Ibovespa?

Antes de tudo, é válido lembrar que o Índice Bovespa nada mais é que uma carteira teórica. Por outro lado, com metodologia para construção da carteira estruturada permite que o indicador seja negociado por meio dos três principais instrumentos financeiros: ETFs, contratos e minicontratos.

Os ETF (Exchange Traded Funds) são um tipo específico de fundo de investimento com número determinado de cotas negociadas na Bolsa. Esses fundos buscam replicar a carteira teórica do índice de forma passiva. O IBOV é muito negociado no mercado brasileiro através do ETF BOVA11.

Todavia, existem outras opções de ETF para negociação do IBOV, como o BOVB11 e o BOVV11. Mas nenhuma delas chega perto de ter o mesmo volume negociado que o BOVA11.

Ainda que o BOVA11 seja o principal ETF do índice acionário brasileiro, ele não é o único ETF existente na bolsa brasileira. Além dele, podemos citar outros ETF relevantes. Por exemplo: o Índice de Small Caps (SMAL11), o Índice de Fundos Imobiliários (IFIX11) e o Índice Dividendos (DIVO11).

Todos esses indicadores permitem que os investidores comparem os desempenhos de suas carteiras e dos gestores responsáveis por elas com os valores médios do mercado. Dessa maneira, os índices não servem apenas instrumento para avaliação da performance de uma estratégia. Permitem também comparar retornos históricos entre mercados diferentes, como entre o mercado acionário (IBovespa) e o mercado imobiliário (IFIX).

Como negociar contratos e minicontratos?

Além dos ETF, uma outra forma de negociar a carteira teórica do Índice Bovespa é através da compra e venda de contratos ou minicontratos futuros no mercado de derivativos.

Ao negociar estes contratos, o investidor está negociando com o mercado suas expectativas futuras para o Ibovespa em uma determinada data, sem precisar comprar toda a carteira do índice.

Os contratos são negociados em lotes de cinco unidades proporcionais ao índice na razão de R$ 1 para cada ponto. Já os minicontratos, como o próprio nome sugere, são uma versão menor dos contratos futuros. No caso deles, cada 1 ponto de oscilação impacta o valor do contrato em R$ 0,20.

Bolsa de Valores B3, onde ocorrem os pregões. (Foto: Divulgação)

Histórico de rendimentos do Ibovespa

Já sabemos o que é o Índice Bovespa, como ele é formado, quando é reestruturado e também a sua função. Além disso, sabemos as formas de negociá-lo. Agora, vamos abordar o que o índice nos conta sobre o mercado acionário brasileiro.

Nesse sentido, faremos uma pequena adaptação para apresentarmos o panorama de forma mais simples.

Antes de tudo, é importante entender que a economia brasileira vem sofrendo com a elevada inflação durante maior parte da sua história. As cotações no mercado acionário também tiveram seus valores inflacionados. Assim, para termos uma noção mais real da performance do mercado, iremos olhar para o retorno do índice em dólares. O que faz muito mais sentido, uma vez que esta moeda é muito mais estável.

Em 2017, em homenagem aos 50 anos do índice, a empresa provedora de soluções financeiras Economática analisou o desempenho do Ibovespa desde 1967. No estudo, constatou que o índice em dólar teve performance positiva em 29 dos 50 anos analisados. No mesmo período, apresentou, ainda em dólares, uma valorização média de 11,7% ao ano.

Em comparação ao principal índice norte americano, o Dow Jones, que no mesmo intervalo de tempo apresentou o desempenho médio de 6,85%, o Ibovespa teve uma performance bem superior.

Ações x Poupança

O estudo também compara a rentabilidade do investimento no mercado de ações brasileiro com o investimento em caderneta de poupança e também com a dolarização simples do patrimônio.

Nesse aspecto, comparando a performance do índice com a rentabilidade das aplicações em poupança, temos um desempenho médio anual dolarizado de 11,74% do primeiro contra 5,32% do segundo.

Em outras palavras, essa comparação evidencia uma melhor performance do mercado de renda variável, mas não deve ser analisada de forma isolada, pois os perfis de cada ativo são muito distintos.

Não se deve comparar renda fixa com renda variável. Por outro lado, caso você esteja procurando opções de investimento em renda fixa melhores que a poupança, pode ler o post que preparamos sobre os melhores investimentos para 2021.

Conclusão

Como vimos neste artigo, o Índice Bovespa é uma das principais formas de sabermos como está o desempenho do mercado acionários brasileiro. Vimos também que seu retorno histórico tem sido superior ao de diversas classes de ativos e mercados. Ou seja, uma exposição bem estruturada a este mercado pode trazer muitos benefícios a sua carteira de investimentos.

E se você ficou com alguma dúvida ou deseja investir de forma mais assertiva, pode conversar com um assessor de investimentos. Na Ethimos, um dos maiores escritórios da XP Investimentos, os especialistas são capacitados para oferecer atendimento personalizado e orientar sobre os melhores produtos de aplicação financeira de acordo com as necessidades.

Converse com um especialista. Agende uma reunião!

Até o próximo post!

*Texto escrito por Frederico Ilenburg, assessor de investimentos da Ethimos.

Acompanhe mais informações de investimentos no Blog da Ethimos

Deixe um comentário